Português Italian English Spanish

Reabertura da Ponte da Amizade vai depender de acordo com Brasil

Reabertura da Ponte da Amizade vai depender de acordo com Brasil


"Seria ilógico habilitar a Ponte da Amizade neste momento por que do outro lado está fechado" disse Ángeles Arriola, Diretora de Migração do Paraguai.

A diretora de Migração do Paraguai, Ángeles Arriola, concedeu uma entrevista na manhã desta quarta-feira, 09, comentando sobre Decreto publicado pelo Governo paraguaio na noite de terça-feira, 08, que habilita postos de migração para entrada e saída de pessoas do país de forma parcial e temporal. O posto que está localizado na Ponte da Amizade é um dos que foram habilitados.

Segundo a diretora, a princípio o Decreto é válido apenas para a regulamentação de voos bolhas entre o Paraguai e o Uruguai. Esses voos, que não tem dias fixos, serão comerciais. A conexão está habilitada apenas para fins transitórios, econômicos, de trabalho e judiciais. Para ser possível voar, o passageiro terá que ter teste negativo de Covid 72 horas antes do voo. Além disso, terá de cumprir isolamento por 7 dias no país logo após a chegada.

Quanto a reabertura da Ponte da Amizade será necessário um acordo com o Brasil, já que uma Portaria editada pelo governo brasileiro estabelece fechamento de fronteira até o dia 26 de setembro. “Seria ilógico habilitar a Ponte da Amizade neste momento porque do outro lado está fechado” disse Arriola. Ela ressaltou que não é possível reabrir as fronteiras com países que também mantém Decretos de fechamento para estrangeiros. “Não habilitamos todas as fronteiras, para isso será necessário um acordo com os outros países” explicou.

Decreto causou confusão, inclusive no Paraguai, porque, além de habilitar postos de migração em várias cidades, também revoga o fechamento de fronteiras, decretado no mês de março. O governo afirmou que nesta quarta-feira, 09, deve conceder uma entrevista coletiva para explicar o Decreto e anunciar o novo protocolo de segurança sanitária, porém até o momento não se pronunciou oficialmente.

Fonte: La Nación